Rir de si mesmo já é estratégia de algumas empresas

Imagine você, uma pessoa altamente criativa chegando numa reunião com o seu cliente para apresentar aquela idéia genial para uma campanha publicitária:

– Caro cliente. Trago para o senhor uma idéia ousada e bastante original. Tenho certeza que irá gostar!

– Que bom, querido amigo publicitário, qual é a sua idéia para a campanha de nosso produto?

– Pensamos em fazer um pequeno filme de 3 minutos para ser publicado no YouTube mostrando o atendimento dos colaboradores de sua empresa. A idéia é mostrar um péssimo atendimento de seus funcionários, onde o funcionário grita e até mesmo joga alimentos na cara da cliente que assustada, vai embora correndo, que tal?

– Ãhn?!

– Sim, isso mesmo! E tem mais! Vamos pegar o mascote do seu produto, aquele que aparece em todas as embalagens, iremos personificá-lo, dar vida a esse mascote e colocá-lo para responder seus consumidores de forma grosseira e mal educada no Facebook. O que acha?

– …

Bem, a reação do cliente da historinha acima parece ser bem previsível. No mínimo mandar o rapaz embora depois de dar alguns gritos de insatisfação. Isso se essa situação tivesse ocorrido ano passado. Pois hoje talvez o cliente diria:

– UAU! Que idéia fantástica!

É meus amigos, desde que Luiza esteve no Canadá, estamos vendo algo de estranho ocorrendo na publicidade brasileira, mais especificamente a online. E parece uma tendência. É o que chamo de “auto-sacanagem publicitária”.

Empresas estão “auto-sacaneando-se” a torto e a direito em vídeos e redes sociais, colocando o produto como motivo de piada e assim criando virais.

Sem dúvida o humor é uma poderosa forma de comunicação. Não é a toa que muitos anúncios publicitários apelam para o discurso do humor em suas mensagens. Mas cá pra nós, não é comum vermos anúncios do produto sacaneando o próprio produto. Pelo menos até pouco tempo.

Só esse mês vimos dois casos claros de auto-sacanagem publicitária. Nesses dois casos a coisa foi idealizada sem o prévio conhecimento e aprovação das empresas envolvidas. E talvez por isso tenha ido ao ar pois se esses casos fossem planejados muito provavelmente não seria aprovado e talvez nem desse certo como deu.

Auto Sacanagem 01

NOT-empresa-volta-atras-e-agora-quer-parceria-com-gina-indelicada1345833095

O primeiro caso foi idealizado pelo mineiro Ricck Lopes, um estudante de publicidade que de brincadeira resolveu criar a personagem Gina Indelicada. Gina é aquela simpática e sorridente moça que aparece nos tradicionais palitos de dente. O sucesso veio das respostas que Gina Indelicada dá para seus seguidores no Facebook. Numa janela simulando o layout do Facebook Messenger, Gina responde grosseiramente seus fãs, como podemos ver abaixo:

gina8

Algumas figurinhas dessas conseguiram mais de 100 mil visualizações e sua página no Facebook alcançou mais de 1,7 milhões de curtidas.

A empresa que produz os palitos Gina, ao saber disso, não ficaram possessos da vida. Pelo contrário, chamaram Ricck para parabenizá-lo pelo feito e sugeriram projetos em conjunto.

Estranho não? Mas realmente me digam como que a Gina, uma marca de palitos de dente, seria propagada para milhões de pessoas utilizando um meio tão moderno quanto a internet se não fosse por algo ousado e bem humorado como a Gina Indelicada? Sem dúvida, o inusitado contraste da mulher sorridente com sua indelicadeza sinceridade foi a chave do viral.

Auto Sacanagem 02

O segundo caso foi criado por Antonio Tabet, do famoso site Kibeloco, em um dos episódios da série youtubiana “Porta dos Fundos”. Protagonizado por Fábio Porchat e Clarice Falcão, um cozinheiro, vestido com roupas bem semelhantes ao cozinheiro do Spoleto e num local semelhante a um restaurante Spoleto, atende impacientemente uma mulher que está na dúvida entre quais ingredientes escolher para compor seu prato de macarrão. O cozinheiro chega a gritar com a cliente, pedindo para que ela seja mais rápida, ao ponto de chamá-la de vagabunda e finaliza jogando palmito na cara da coitada.

Qual a reação do Spoleto ao ver esse vídeo? Indignação? Raiva? Processo? Que nada, os donos do Spoleto chamaram o pessoal do Kibeloco e patrocinaram o vídeo, bancando um novo epísodio onde o cozinheiro é demitido para mais tarde voltar para o Spoleto bem mais calmo, depois de ter passado por outros empregos piores. Nesse segundo vídeo Porchat veste um uniforme com a marca do Spoleto e no final o logotipo da empresa assina a criação.

Continue lendo em… http://www.brunoavila.com.br/avante/mercado/a-tendncia-a-auto-sacanagem-publicitria.html

Anúncios